LITERATURA E PSICANÁLISE EM FREUD: DA OBRA COMO SINTOMA

Fabrício Lemos da Costa, Sílvio Augusto de Oliveira Holanda, Pablo Rossini Pinho Ramos

Resumo


RESUMO: Este ensaio tem como objetivo refletir sobre a relação entre a literatura e a psicanálise em Sigmund Freud. Em nossa reflexão, abordaremos a discussão em torno da obra enquanto sintoma, isto é, como produto de neuroses e interpretações que privilegiam o inconsciente como clave para o estudo do sujeito no que tange às formas, na qual o discurso do texto literário imbrica-se aos complexos, evidenciados, por exemplo, em comportamentos de personagens e até mesmo em manifestações psíquicas do autor. Assim, a partir de Freud, a literatura começa a integrar-se a outros discursos, perdendo-se a singularidade e autonomia da obra como objeto particular.

PALAVRAS-CHAVE: Literatura, Psicanálise, Freud, Sintoma.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Universidade Estadual do Ceará - UECE

Centro de Humanidades - CH

Curso de Graduação em Filosofia                                   

Occursus - Revista de Filosofia

ISSN: 2526-3676

Qualis B3


APOIO: