LANÇAMENTO volume 9, n° 18, jan-jun de 2021

tiket kereta toko bagus berita bolaterkini anton nb Aneka Kreasi Resep Masakan Indonesia resep masakan menghilangkan jerawat puncak pass resort recepten berita terkini game online hp dijual

Para os olhares de Caetano Veloso na composição “O estrangeiro” e na obra “tristes trópicos[1]” de Lévi-Strauss, há um Brasil que infelizmente não está deslocado temporalmente da época de suas tessituras, sejam os anos de 1950 ou o Brasil pós ditadura militar, em outros termos, voltaram aqueles que nunca foram, agora mais articulados com o espaço virtual, engajados pela network do ódio e amparados pelo fundamentalismo que se fundamenta em bases fictícias.

Pela mesma verve poética na qual o saudoso Itamar Assunção compôs: “o trópico tropica, emaranhado no trambique, a treta frutifica[2]”; estes frutos podres não caem facilmente e assim balançamos, ora por fraqueza, e principalmente, ora por força e coragem, ou mesmo por teimosia como alguns ou algumas queiram classificar.

Propomos uma ode às palavras e expressões que dão sentido ao título da revista Bilros e o que ela representa desde a sua primeira edição; ou seja, uma trama, um tecido forte, uma composição de fibras que aqui não equivalem apenas a um pequeno ponto de renda, como os mais famosos: palma, coração, aranha, meus olhos, quadro, margarida, zigue zague ou tantos outros espalhados pelo país.

Nosso ponto da renda de bilro é composto pelas mãos que aperreiam nesse terral[3], aquelas que não cessaram os trabalhos na pandemia, as mesmas que seguram o pires nas agências de fomento, unem-se entrelaçadas umas às outras, demonstram que a fortaleza vem justamente da diversidade, do companheirismo, e, principalmente, aquelas que produzem conhecimento com a seriedade da academia e a leveza de um ethos que ultrapassa as fronteiras do academicismo.

Após este pequeno preâmbulo, apresentamos nesta edição de número 18 um total de 8 artigos de alguns colaboradores às quais suas temáticas amplas transitam de maneira criativa e ao mesmo tempo instigante sobre assuntos que estão propostos basicamente em quatro grandes eixos, a saber, música, cultura popular, política, ensino de História, História do Brasil colonial e pós-colonial.



[1] LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes Trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

[2] “Tristes Trópicos” (Itamar Assumpção). Itamar Assumpção e as Orquídeas do Brasil. LP/CD Bicho de 7 Cabeças vol. II. Baratos Afins, 1993.

[3] “Terral” (Ednardo), Ednardo e o Pessoal do Ceará. LP Ednardo e o Pessoal do Ceará, Phonodisc Mid. 1972.