O público e o privado

tiket kereta toko bagus berita bolaterkini anton nb Aneka Kreasi Resep Masakan Indonesia resep masakan menghilangkan jerawat puncak pass resort recepten berita terkini game online hp dijual

O periódico O público e o privado (PP) é uma publicação acadêmica do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Estadual do Ceará(UECE), de periodicidade semestral, e destina-se a publicar e divulgar trabalhos de pesquisadores nacionais e estrangeiros, resultados de estudos e pesquisas, considerando a relevância e inserção da temática na produção do conhecimento teórico-empírico para as políticas públicas.

O periódico tem como objetivo promover a produção e a socialização do conhecimento acadêmico por meio da publicação de dossiês temáticos, artigos, resenhas, entrevistas e relatórios de pesquisas, bem como incentivar a criação, divulgação e interlocução de redes temáticas com grupos de pesquisadores de Universidades brasileiras e estrangeiras.

O periódico O público e o privado (Qualis B2 na área da Sociologia) está indexada em: Latindexwww.latindex.unam.mxSumários de Revistas Brasileiras | www.sumarios.org.br ; Portal períodicos Capeswww.periodicos.capes.gov.br ; Sistema Eletrônico de Revistas/SEER | www.seer.ibict.br 

ISSN - 1519-5481 (impresso)

ISSN - 2238-5169 (online)


Dossiê  Culturas, Corpo e Natureza ( N 29, jan./jun.2017)

Organizadores:

Wellington Ricardo Nogueira Maciel (UECE); Romain Jean-Marc Pierre Bragard (UFC)

 

A revista O Público e o Privado comunica aos interessados a chamada de artigos para o Dossiê Culturas, Corpo e Natureza. O objetivo é reunir pesquisas, no âmbito das Ciências Sociais e Humanas, que proponham reflexões sobre as experiências corporais contemporâneas em suas interfaces com cultura e natureza. Nesse sentido um conjunto de temáticas ligadas ao turismo, ao sentimento de natureza e ao espaço urbano, às emoções e à arte pode ser explorado. Como se fazem os agenciamentos do corpo nas práticas turísticas e de lazer (praias, ecoturismo, esportes radicais, yoga etc) ou na criação coreográfica, por exemplo? Quais são os usos e as construções culturais do corpo em relação à sua – não menos construída – “naturalidade”? Como, a partir das imersões etnográficas dos pesquisadores, são elaboradas pistas analíticas que nos propõem refletir sobre as experiências do corpo no mundo? Visto de perto o corpo é síntese de múltiplos processos sociais e culturais que incorpora os modos dominantes de produção da subjetividade, mas que permite, criativamente, processos de singularização, num campo de tensões, coerções e subversões sociais. Pensar os usos do corpo, as invenções e intervenções corporais, as micropolíticas do desejo e as revoluções moleculares na cultura assim como as transformações tecnológicas e a gestão do Estado sobre o corpo, a cultura e a natureza, se constitui tanto um desafio analítico quanto metodológico e político. Talvez o maior desafio que se impõe hoje à teoria social diz respeito à construção de análises consistentes que deem conta das variações nos marcadores simbólicos de identidade que se inscrevem sobre a matéria corpórea. Não resta dúvida, porém, de que a boa teoria social aliada à cuidadosa pesquisa empírica é capaz de lançar luz sobre o referente corpo que resiste às tentativas de enquadrá-lo em modelos e padrões sociais e nas técnicas de disciplinamento e docilidade. 

Aceitaremos envio dos artigos, por meio do SEER, até o dia 31/03/2017.  http://www.seer.uece.br/?journal=opublicoeoprivado

 


n. 27 (2016): Dossiê Governança e políticas de saúde pública


Capa da revista